Nosso tempo e nossa atenção são, cada vez mais, capturados por tecnologias que passam a fazer parte de nossos hábitos cotidianos. Empresa, aplicativo e rede social, o Instagram é um dos dispositivos que opera segundo os princípios da economia da atenção. Nesta capitalização da atenção, é imprescindível formar hábitos de uso de serviços ou produtos de modo a manter os usuários enganchados. Com suas inúmeras ofertas de ferramentas para a produção e o consumo de imagens, o aplicativo mobiliza a atenção de seus usuários para que eles passem o máximo de tempo possível conectados à plataforma. Em um regime híbrido de complexas modulações do visível, as formas de sociabilidade online atualizam os elos históricos entre vigilância e espetáculo.

No dia 22 de fevereiro, a pesquisadora do MediaLab.UFRJ Anna Bentes defendeu sua dissertação de mestrado para explorar essa problemática. Para a pesquisadora, ao configurar uma topologia exteriorizada, as subjetividades contemporâneas convocam e incitam constantemente o olhar do outro no processo de constituição de si. Nesses modos de ser 24/7, visíveis e conectados, o culto à performance e às ações empreendedoras ganham brilho nas formas de interação neste aplicativo. Em sua dissertação, o Instagram é tomado como dispositivo estratégico para analisar lógicas mais amplas que integram o regime de visibilidade contemporâneo, distribuídas também por outras tecnologias e âmbitos de nossas sociedades. A autora argumenta ainda que a força irresistível deste dispositivo que torna seu uso “quase um tique” está associada tanto às estratégias da economia da atenção quanto às híbridas relações entre vigilância e espetáculo, que fazem das trocas intersubjetivas de atenção um elemento fundamental aos hábitos da plataforma.

Anna Bentes é formada em Psicologia pela UFRJ, mestre em Comunicação e Cultura pela UFRJ e doutoranda no mesmo programa. Em breve a dissertação será disponibilizada para leitura.

Banca: Paula Sibilia (UFF) e Luciana Caliman (UFES)

Orientadora: Fernanda Bruno (UFRJ)